Prevenção

Orientação de higiene bucal

O principal vilão de uma excelente saúde bucal é a placa bacteriana. Placa bacteriana é um agregado ou uma mistura formada pelo resultado dos resíduos da mastigação, misturados com bactérias presentes na boca, aderidos à superfície dental.

A higiene bucal é a prática de manter os dentes, gengivas e língua sempre limpos e livres da Placa Bacteriana. A manutenção destas estruturas sempre limpas podem evitar o surgimento de doenças bucais, tais como :

  • Gengivite (inflamação e sangramento gengival)
  • Periodontite (perda do osso que suporta os dentes)
  • Tártaro (placa bacteriana calcificada, ou cálculo dental)
  • Cáries

Além disso, a higiene bucal previne o mau hálito! Os cuidados diários preventivos, como uma boa escovação e o uso correto do fio dental, ajudam a evitar que problemas dentários se tornem mais graves. A prevenção é a maneira mais econômica e menos dolorosa de se cuidar da saúde bucal, evitando o tratamento de problemas que poderiam gerar incômodos.

Os dentes devem ser escovados pelo menos três vezes por dia, após as principais refeições (café da manhã, almoço e jantar), e o fio dental deve ser utilizado em no mínimo uma dessas escovações. Utilize um antisséptico ou enxaguante bucal com flúor após escovar os dentes para eliminar as bactérias responsáveis pela formação de placas e prevenir o mau hálito.

Visite regularmente seu cirurgião-dentista, pelo menos uma vez a cada seis meses. Ele vai ensinar você a usar técnicas corretas de higiene bucal e indicar as áreas que exigem atenção extra durante a escovação e o uso do fio dental.

Exame preventivo de câncer bucal

O câncer bucal, de língua e orofaringe atinge no Brasil cerca de 150 mil casos por ano. Em sua grande maioria, esses casos são tratáveis e com excelente prognóstico. Como a região da cabeça e do pescoço são extremamente irrigadas por artérias, veias e vasos linfáticos, qualquer lesão por menor que seja tem uma evolução muito rápida. Alguns dos fatores de risco, como o fumo, o consumo excessivo de álcool e a infecção por HPV (vírus do papiloma humano), podem aumentar as chances do surgimento de lesões bem como do seu potencial cancerizável. Feridas que não cicatrizam, protuberâncias ou manchas brancas e vermelhas que surjam na boca são sinais que merecem atenção.

O autoexame da boca é uma técnica simples que a própria pessoa faz para conhecer a estrutura normal da boca e, assim, identificar possíveis anormalidades, como mudanças na aparência dos lábios e da parte interna da boca, endurecimentos, caroços, feridas e inchaços.
Esse exame, entretanto, não substitui o exame clínico realizado por um dentista. Exames regulares, para verificar o aparecimento de qualquer alteração nas mucosas orais, língua, lábios, são fundamentais para que qualquer lesão seja encontrada de forma precoce, aumentando as chances de cura.

Exame preventivo de doenças gengivais

Assim com na cárie dental, a grande vilã das doenças gengivais é a placa bacteriana. A presença da placa bacteriana, grudada na superfície dental, próxima às gengivas, leva a uma irritação química que faz com que a as gengivas fiquem irritadas, podendo levar ao sangramento.

A gengivite é o estágio inicial da doença da gengiva e a mais fácil de ser tratada. Nesse estágio inicial da doença gengival os danos podem ser revertidos, uma vez que o osso e o tecido conjuntivo que segura os dentes no lugar ainda não foram atingidos. Entretanto, se a gengivite não for tratada, ela pode evoluir para uma periodontite.
Na periodontite o osso de apoio e as fibras que seguram os dentes no lugar estão irreversivelmente danificados. A gengiva começa a formar uma bolsa embaixo da margem gengival, que favorece o crescimento da placa bacteriana, causando danos permanentes às estruturas de suporte dos dentes. Em outros casos, essa placa pode se calcificar, levando à formação de outro problema, o cálculo dental ou tártaro. O tártaro, além de ser irritante químico, é também irritante mecânico, fazendo com que a gengiva se afaste. A gengiva se afasta e tende a expor o osso. Para que isso não ocorra, o organismo reabsorve o osso e isso vira um ciclo vicioso. Um tratamento adequado e melhoria da higiene bucal normalmente ajudam a evitar mais danos à gengiva, aos tecidos de suporte e ao osso. Uma vez que as medidas preventivas não foram tomadas, a periodontite pode avançar ainda mais.
A periodontite avançada destrói as fibras e o osso de suporte dos dentes fazendo com que eles se movimentem ou fiquem moles. Neste estágio, muitas vezes, o tratamento pode não ser mais tão efetivo e alguns dentes poderão até ser extraídos.
Muitas vezes as doenças gengivais são indolores, fazendo o paciente demorar muito até perceber que ela já está presente. Por essa razão é tão importante o exame preventivo e a busca por sinais e sintomas para evitar o seu agravamento. Alguns sinais e sintomas podem ser observados abaixo:
• Gengiva que sangra facilmente durante a escovação ou o uso de fio dental.
• Gengiva inchada, vermelha ou dolorida.
• Gengiva retraída.
• Mau hálito persistente ou gosto ruim na boca.
• Dente amolecido.
• Próteses parciais que se desajustam.
• Pus visível em torno dos dentes e gengiva.
• Dores agudas ao mastigar os alimentos.
• Dentes excessivamente sensíveis a temperaturas frias ou quentes.

Como posso prevenir as Doenças Gengivais?

Uma boa higiene bucal é essencial.
Você pode prevenir a gengivite da seguinte maneira:
• Escovar os dentes sempre após as refeições.
• Fazer o uso de cremes dentais que dificultem o aparecimento da placa bacteriana.
• Uso do fio ou fita dental.
• Uso de enxaguatórios bucais.
• Visitas regulares ao Dentista.

Exame preventivo de cárie dental

As pessoas conhecem a cárie dental como sendo aquelas lesões erosivas ou cavidades escuras nas superfícies dentais. Na verdade essas cavidades são o resultado de um processo de desmineralização local provocado pela presença de placa bacteriana por um longo período de tempo.
A cárie dental, então, pode ser considerada também como uma doença de característica multifatorial, onde temos basicamente quatro fatores principais:
• Dieta rica em açúcares.
• Flora bucal como bactérias consumidoras de açúcares.
• Saliva com pouca capacidade de regular o Ph.
• Higiene bucal precária.

Estes fatores combinados permitem a formação da placa bacteriana e que ela fique instalada por muito tempo em um mesmo local. A formação de um Ph cada vez mais ácido entre a superfície dental e a placa aumenta a velocidade de trocas minerais entre o dente e a saliva, o que promove o surgimento de cavidades. É desta forma que a Lesão da Doença Cárie aparece.

Como Funciona o Exame Preventivo?

Como a doença cárie é multifatorial, temos que avaliar individualmente cada um dos fatores. Primeiramente é aplicado um questionário elaborado para verificar que tipo de dieta alimentar nosso paciente está habituado a fazer. Saber que tipos de alimentos, quantidades, frequência e horários nos permite orientar melhor os cuidados para uma higiene bucal mais efetiva.
Em seguida, uma avaliação clínica criteriosa pode nos revelar a efetividade e a habilidade do paciente com relação à escovação. O uso de corantes para placa bacteriana auxilia a visualização de onde a escovação está sendo ineficiente. Esse exame visa ainda a procura por lesões cariosas ou cavidades ainda em formação. Quanto antes agirmos, menor será o tecido dental saudável perdido.

Algumas ações podem ajudar a evitar o surgimento de Lesões Cariosas:

• Dieta com pouco açúcar.
• Escovação eficiente após as refeições.
• Ingestão de água para melhorar a produção de saliva.
• Visitas regulares ao Dentista.